O custo das más contratações ao redor do mundo

O Globo

Alguma vez você já aceitou um emprego sabendo que não era o certo para você ou que planejava sair assim que fosse possível? Isto não é só um fator negativo para sua carreira, como também é ruim para o empregador. As empresas podem sofrer tanto quanto o funcionário quando o emprego não se ajusta ao profissional, mas são os empregadores que acabam pagando a conta.

“Tomar uma decisão errada a respeito de uma contratação pode ter várias consequências negativas em toda a organização”, diz Matt Ferguson, CEO da CareerBuilder. “Quando você soma a isso a perda de oportunidades de vendas, clientes e relações tensas com funcionários, potenciais questões legais e os recursos para contratar e treinar novos funcionários, o custo pode ser considerável”.

Estes fatores, segundo Ferguson, tem feito com que os empregadores levem mais tempo para avaliar se o perfil do candidato se encaixa ao trabalho oferecido e à cultura da empresa.

De acordo com uma nova pesquisa da CareerBuilder, mais da metade dos empregadores em cada uma das 10 maiores economias do mundo dizem que uma má contratação (alguém que acabou não se ajustando ao trabalho ou não conseguiu realizá-lo bem) tem impactado negativamente em seus negócios, apontando para uma perda significativa de receita ou produtividade ou desafios com a moral dos demais funcionários e relações com clientes.

O custo de uma má contratação

As 10 maiores economias do mundo têm experimentado grandes prejuízos associados à contratação de um empregado que não conseguiu se ajustar ao trabalho ou à empresa em si. Entre aqueles que admitiram ter feito más contratações, 27% dos empregadores americanos relatam que uma única contratação custou mais de US$ 50 mil à organização. Na zona do euro, as contratações mal-sucedidas foram mais caras na Alemanha, com 29% informando que os custos chegaram a de € 50 mil ou mais (cerca de US$ 65.231). No Reino Unido, 27% das empresas dizem que as más contratações custaram mais de 50 mil libras esterlinas. Vinte e nove por cento dos empregadores na Índia relataram um custo médio de mais de 2 milhões de rúpias indianas (US$ 37.150). E quase metade dos empregadores pesquisados ??na China (48%) relataram que os custos excederam ao equivalente a US$ 48.734.

Países que relataram ter feito más contratações

Os países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) têm o maior número de empregadores dispostos a aumentar a contratação de funcionários em tempo integral este ano. Assim, são mais propensos a serem afetados por uma má contratação. No entanto, este é um problema que a maioria dos empregadores em todos as 10 principais economias experimentaram. Confira aqueles que registraram os maiores índices:

Rússia – 88%

Brasil – 87%

China – 87%

Índia – 84%

EUA – 66%

Itália – 66%

Reino Unido – 62%

Japão – 59%

Alemanha – 58%

França – 53%

Impactos de uma má contratação

Os países do BRIC, o que inclui o Brasil, são geralmente mais propensos a relatar os efeitos negativos associados a uma má contratação, tais como perdas de produtividade e receita, enquanto os EUA reconhecem um forte impacto na moral dos funcionários e custo para recrutar e treinar outro trabalhador. Países europeus aparecem em todas as categorias, que pode ser em parte devido ao recrutamento mais lento.

Confira abaixo outros detalhes da pesquisa da CareerBuilder:

Perda de produtividade

China – 57%

Rússia – 45%

Índia – 42%

Brasil – 40%

EUA – 36%

Itália – 31%

Japão – 28%

Alemanha – 25%

Reino Unido – 23%

França- 15%

A moral dos funcionários foi afetado negativamente

China – 37%

EUA – 32%

Alemanha – 31%

Japão – 31%

Índia- 25%

Rússia – 24%

Brasil – 23%

Itália – 23%

Reino Unido -22%

França – 19%

Impacto negativo no relacionamento com o cliente

China – 32%

Índia – 25%

Rússia -22%

Brasil -21%

Itália – 20%

EUA – 18%

Alemanha – 17%

França – 17%

Reino Unido – 16%

Japão – 13%

Queda nas vendas

China – 24%

Índia – 24%

Rússia – 22%

Japão – 13%

Reino Unido – 12%

França – 11%

Brasil – 11%

Reino Unido – 10%

Alemanha – 9%

Itália – 9%

Custo para recrutar e treinar um outro trabalhador

Brasil – 35%

EUA – 31%

Índia – 31%

China – 30%

Rússia -29%

Itália – 23%

Reino Unido – 22%

Alemanha – 15%

França – 12%

Japão – 11%

Deixe um comentário